ANGELA CADA VEZ MELHOR

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Sou psicóloga há 32 anos ,nas áreas de RH, Psicoterapia , Escolar e Regressão. Também sou professora . Sou questionadora... inquieta... um vulcão (às vezes adormecido)... sujeita a chuvas e trovoadas . Busco,incessantemente, continuar voando porém com os pés no chão..... O que mais amo fazer e faço com muito prazer é VIVER!!!!! Estou agora incrementando meus dons artísticos e criando muita coisa linda!!! Vendo tudo!!!!! Se quiser saber mais... é só perguntar!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

A angústia de amar quem não nos ama


O sofrimento por amor precisa de reflexão para ser superado
, pois a angústia de se dar conta de que alguém não nos ama nos faz sentir apavorados por dentro.



Sentimos que essa falta de amor nega e inutiliza todos os nossos sentimentos e acaba com a nossa capacidade de amar.

Perceber e se afastar de um amor que não nos ama e que não nos dá atenção ou carinho envolve passar por um tempo de luto que deve ser respeitado; 
trata-se de um tempo e um espaço para compreender o que aconteceu.
É necessário permitir a si mesmo um tempo para ficar chateado, para negar a realidade, para fantasiar, para ficar horrorizado, para perder o chão, para não se compreender e depois descobrir as partes nossas que estão quebradas e as que estão intactas, para restabelecer os sentimentos.
Tudo isso é indispensável para amarmos a nós mesmos, para nos sentirmos importantes e valorizados. No final, quando deixamos alguém que não nos ama de verdade para trás, começa um processo de liberdade emocional que substitui toda a dor por bem-estar.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Natal
















É tempo de reflexão..

E a atmosfera de solidariedade...
paz e amor se espalham por grande parte do mundo...

Vamos aproveitar!

Feliz Natal a todos!!! 

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

A dignidade tem um preço muito alto (3)


A dignidade não se vende, nem se perde nem se presenteia. Porque uma derrota a tempo sempre será mais digna do que uma vitória se conseguirmos sair “inteiros” dessa batalha, com o queixo erguido, o coração inteiro e uma tristeza que vai acabar renovando as esperanças.
As pessoas costumam pensar que não há nada pior do que ser abandonado por alguém que amamos. Não é verdade, o mais destrutivo é se perder amando quem não nos ama.
No amor saudável e digno não se encaixam martírios ou renúncias, aquelas em que dizemos que vale tudo só para estarmos ao lado do ser amado. Não adianta nos posicionamos à sua sombra, onde já não irão mais restar dias ensolarados para o nosso coração nem estímulos para as nossas esperanças.
Por isso, e para evitar cair nestas correntes emocionais convulsivas, vale a pena refletir sobre as seguintes questões, que sem dúvida podem nos ajudar:
§  Nos relacionamentos amorosos os sacrifícios têm limites. Não somos obrigados a responder a todos os problemas do nosso parceiro/a, a oferecer ar sempre que ele/a quiser respirar, nem a apagar a nossa luz para que a dele/a brilhe. Lembre-se de onde está o verdadeiro limite: na sua dignidade.
§  O  amor se sente, se toca e se cria todos os dias. Se não percebermos nada disto, pedir não vai adiantar nada, assim como não adianta esperarmos sentados que aconteça um milagre que não tem sentido. Assumir que já não somos amados é um ato de valentia que vai evitar que fiquemos à deriva em situações delicadas e destrutivas.
§  O amor jamais deverá ser cego. Por muito que se defenda esta ideia, é necessário lembrar que sempre será melhor se oferecer a alguém com os olhos bem abertos, o coração entusiasmado e com a dignidade muito alta. Só então seremos autênticos arquitetos destas relações dignas que valem a pena, onde pode-se respeitar e ser respeitado, criar todos os dias um ambiente saudável onde nem “tudo vale”, sem jogos de poder nem sacrifícios irracionais.

  • A dignidade é e será sempre o reconhecimento de que somos merecedores de coisas melhores, porque sempre será melhor uma solidão digna do que uma vida de carências, do que relacionamentos incompletos que nos fazem acreditar que somos atores secundários no teatro da nossa existência. 
  • Não permita isso, 
  • Não perca a sua dignidade por ninguém.


Internet

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

O orgulho e a dignidade do amor próprio (2)


Muitas pessoas costumam dizer que o ego alimenta o orgulho e o espírito alimenta a dignidade. De qualquer forma, estas duas dimensões psicológicas são duas habitantes cotidianas das complexas ilhas de relacionamentos amorosos, que às vezes costumam ser confundidas.
O orgulho, por exemplo, é um inimigo bem conhecido que costuma ser associado ao amor próprio. No entanto, ele vai um passo além, pois o orgulho é um arquiteto especializado em levantar muros e cercas nos nossos relacionamentos, em decorar cada detalhe com arrogância e em encontrar o vitimismo em cada palavra. Apesar de todos estes atos destrutivos, o que realmente está mascarado é uma baixa autoestima.

Enquanto isso, a dignidade é justamente o contrário. Ela age o tempo todo a ouvir a voz do nosso “eu” para fortalecer o ser humano mais belo, o respeito por nós mesmos sem esquecer o respeito pelos outros. Aqui o conceito do amor próprio adquire o seu pleno significado, pois se alimenta dele para se proteger sem prejudicar os outros: sem causar efeitos “colaterais”, mas validando em todos os momentos a própria autoestima.

domingo, 30 de outubro de 2016

O AMOR TEM UM LIMITE QUE SE CHAMA DIGNIDADE (1 )

O amor sempre terá um limite: a dignidade. Porque o respeito que cada um de nós temos por nós mesmos tem um preço muito alto e jamais irá aceitar cortes para saciar um amor que não é suficiente, que machuca e nos deixa vulneráveis.
Dizia Pablo Neruda que o amor é curto e o esquecimento é muito longo. Mas no entremeio sempre há aquela “luz de vagalume” que se acende de forma natural nas noites escuras para nos indicar onde é o limite, para nos lembrar que é melhor um esquecimento longo do que uma grande tormenta na qual acabamos vendendo a nossa dignidade.
Às vezes o melhor remédio é esquecer o que se sente para recordar o que valemos. Porque a dignidade não deve ser perdida por ninguém, porque o amor não se roga nem se suplica, e embora nunca se deva perder um amor por orgulho, também não se deve perder a dignidade por amor.
Acredite ou não, a dignidade é esse elo frágil e delicado que tantas vezes comprometemos, que pode romper e desfazer as ligações dos nossos relacionamentos amorosos. Há muitas ocasiões em que cruzamos essa fronteira sem querer até nos deixarmos levar por alguns extremos nos quais nossos limites morais tornam-se fracos, pensamos que por amor tudo vale a pena e que qualquer renúncia é pouca.
Porque o amor e a dignidade são duas correntes em um oceano convulso, no qual até mesmo o marinheiro mais experiente pode perder o rumo...

Internet

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Mudanças..


























Especialmente por ser MUDAR = CRESCER...
Dói, incomoda... mas no final é gratificante....

Postura


























Se prestássemos mais atenção em tudo o que fazemos, dizemos...
certamente iríamos entender o peso de nossos atos...falas...
Entender que viver é fazer escolhas...que tal escolher ouvir mais...
se colocar no lugar do outro...ter mais paciência...respeito mútuo...
SE AMAR MAIS ...

Cuidado...


domingo, 5 de junho de 2016

Arquivos da riqueza


17 modos de pensar e agir que distinguem os ricos de outras pessoas
Nº 1
As pessoas ricas acreditam na seguinte idéia:
“Eu crio a minha própria vida.”
As pessoas de mentalidade pobre acreditam na seguinte idéia: “Na minha vida, as coisas acontecem.”
Nº 2
As pessoas ricas entram no jogo do dinheiro para ganhar.
As pessoas de mentalidade pobre entram no jogo do dinheiro para não perder.
Nº 3
As pessoas ricas assumem o compromisso de serem ricas.
As pessoas de mentalidade pobre gostariam de ser ricas.
Nº 4
As pessoas ricas pensam grande.
As pessoas de mentalidade pobre pensam pequeno.
Nº 5
As pessoas ricas focalizam oportunidades.
As pessoas de mentalidade pobre focalizam obstáculos.
Nº 6
As pessoas ricas admiram outros indivíduos ricos e bem-sucedidos.
As pessoas de mentalidade pobre guardam ressentimento de quem é rico e bem-sucedido.
Nº 7
As pessoas ricas buscam a companhia de indivíduos positivos e bem-sucedidos.
As pessoas de mentalidade pobre buscam a companhia de indivíduos negativos e fracassados.
Nº 8
As pessoas ricas gostam de se promover.
As pessoas de mentalidade pobre não apreciam vendas nem autopromoção.
Nº 9
As pessoas ricas são maiores do que os seus problemas.
As pessoas de mentalidade pobre são menores do que os seus problemas.
Nº 10
As pessoas ricas são excelentes recebedoras.
As pessoas de mentalidade pobre são péssimas recebedoras.
Nº 11
As pessoas ricas preferem ser remuneradas por seus resultados.
As pessoas de mentalidade pobre preferem ser remuneradas pelo tempo que despendem.
Nº 12
As pessoas ricas pensam: “Posso ter as duas coisas.”
As pessoas de mentalidade pobre pensam: “Posso ter uma coisa ou outra.”
Nº 13
As pessoas ricas focalizam o seu patrimônio líquido.
As pessoas de mentalidade pobre focalizam o seu rendimento mensal.
Nº 14
As pessoas ricas administram bem o seu dinheiro.
As pessoas de mentalidade pobre administram mal o seu dinheiro.
Nº 15
As pessoas ricas põem o seu dinheiro para dar duro para elas.
As pessoas de mentalidade pobre dão duro pelo seu dinheiro.
Nº 16
As pessoas ricas agem apesar do medo.
As pessoas de mentalidade pobre deixam-se paralisar pelo medo.
Nº 17
As pessoas ricas aprendem e se aprimoram o tempo todo.
As pessoas de mentalidade pobre acreditam que já sabem tudo.

Do livro "Os Segredos da Mente Milionária" - T. Harv Eker


Ame sua perdas


Certa vez perdi o homem da minha vida. Confesso, com todo o drama que exige uma boa fossa, que meu mundo caiu. Chorei vinte e quatro horas seguidas, levantei e fiz o que tinha que ser feito: seguir em frente. Claro, que por algum tempo não fui feliz. Mas percebi, como numa tragada de inspiração, que o homem da minha vida era completamente substituível. De lá pra cá, perdi três homens da minha vida e continuo de pé – e sorrindo, se quer saber.
Perdi também um grande amigo. Ele não morreu para o mundo, mas pra mim, sim. Descobri uma traição daquelas que não se faz com melhores amigos. Encontrei muitos outros melhores amigos – alguns me traíram, alguns me consolaram, e todos foram embora. E outros sempre chegaram.
Noutro episódio triste da vida, perdi dois empregos – que tinha concomitantemente – na mesma semana. A crise veio e não havia mais como pagar aos colunistas. “Ok.” Chorei por umas horas, refiz o orçamento e me ajustei, novamente, ao caos da vida como pude. Encontrei outros três empregos nos meses seguintes. Alguns me fizeram feliz, outros não, e a todos perdi. E outros sempre chegaram.
A única certeza que temos na vida é de que, vez ou outra, perderemos. As pessoas vão embora, as crises vão chegar, nossos amigos vão nos trair. As perdas são essa realidade cruel que precisamos aceitar – e tirar proveito, sempre que possível.
O barato disso tudo é que, sempre que perdemos algo importante, temos a oportunidade de enxergar com uma clareza que só a tristeza proporciona as tantas outras coisas importantes que ainda temos. E de perceber, com a perspicácia que só as crises nos trazem, as outras tantas coisas importantes que chegarão. As perdas têm a indispensável função de nos fazer renascer. Cuidar do que ainda temos e lutar pelo que precisamos.

Não tenho piedade dos bons perdedores – mas aqueles que ganham sempre, coitados, não têm a chance de enxergarem-se tais quais são: humanos, errantes, passíveis de terríveis perdas e, sobretudo, capazes de reconstruir qualquer coisa que seja. E de deixar partir o que não lhes pertence.

Abraçando...




"A duração média de um abraço entre duas pessoas é de 3 segundos. 
Mas os pesquisadores descobriram algo fantástico. 
Quando um abraço dura 20 segundos, há um efeito terapêutico sobre o corpo e mente. 
A razão é que um abraço sincero produz um hormônio chamado "oxitocina", também conhecido como o hormônio do amor. 
Esta substância tem muitos benefícios na nossa saúde física e mental, ajuda-nos, entre outras coisas, para relaxar, para se sentir seguro e acalmar nossos medos e ansiedade.
Este maravilhoso calmante é oferecido de forma gratuita cada vez que temos uma pessoa em nossos braços."

quinta-feira, 17 de março de 2016

Janelas



































Observou como muitas vezes ficamos reclamando da vida????
É um hábito...quase incontrolável de muita gente.
Seria bom  começar a derrubar algumas paredes, muitas vezes invisíveis , que insistimos em conservar... são nossos " bodes expiatórios"...
Abrir janela...é muito melhor!!!!!!

Observar...


terça-feira, 8 de março de 2016

Se amar para ser amado(a)

QUANDO O CUIDADO QUE VOCÊ TEM COM O OUTRO FAZ VOCÊ SE DESCUIDAR, É HORA DE DAR  UMA PAUSA...

QUANDO O AMOR QUE VOCÊ DEDICA A ALGUÉM TORNA O SEU AMOR PRÓPRIO ALGO MENOR, É TEMPO DE REPENSAR...

PODE PARECER EGOÍSTA...E QUE SEJA!

NÃO DEVEMOS ...NEM PODEMOS RENEGAR A NOSSA PRÓPRIA VIDA PARA TORNAR MELHOR A DE OUTRA PESSOA...

                                                                                                                             
                                                                                                                               Autor desconhecido...

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

ESTRATÉGIAS PARA MELHORIAS EM 2016


1. Faça o que é certo, não o que é fácil. O nome disso é Ética.

2. Para realizar coisas grandes, comece pequeno. O nome disso é Planejamento.

3. Aprenda a dizer 'não'. O nome disso é Foco.

4. Parou de ventar? Comece a remar. O nome disso é Garra.

5. Não tenha medo de errar, nem de rir dos seus erros. O nome disso é Criatividade.

6. Sua melhor desculpa não pode ser mais forte que seu desejo. O nome disso é Vontade.

7. Não basta iniciativa. Também é preciso ter 'acabativa'. O nome disso é Efetividade.

8. Se você acha que o tempo voa, trate de ser o piloto. O nome disso é Produtividade.

9. Desafie-se um pouco mais a cada dia. O nome disso é Superação.

10. Pra todo 'game over', existe um 'play again'. O nome disso é Vida.

Que venham as batalhas de 2016!!

Texto de: Eduardo Zugaib - escritor e palestrante 

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016